UncategorizedComo acabar com o caramujo africano

Como acabar com o caramujo africano

CARAMUJO AFRICANO , COMO ELIMINAR DE FORMA CORRETA. Lesmas e caramujos africanos têm sido um problema para agricultores e para quem tem um jardim ou horta em casa. Conheça alguns métodos para acabar com eles. Há diversas espécies de caramujo no país, com destaque para o exótico e agressivo caramujo -gigante- africano (Achatina fulica), que tornou-se uma praga agrícola e urbana de importância econômica. Con​sultor: Francisco José Zorzenon, pesquisador do Laboratório de Entomologia do Instituto . Ao se locomoverem, liberam um muco contaminado que pode infectar humanos por meio de legumes, frutas e verduras mal lavados.

Infestação de caramujos africanos. No quadro Meio Ambiente e Sustentabilidade , o comentarista Marco Bravo, a pedido dos ouvintes da CBN Vitória, volta a orientar sobre como eliminar o caramujo africano dos quintais. A primeira regra é não ter contato direto com o molusco.

Use luvas ao coletá-los do jardim ou da horta . Aqui quero falar do caramujo -gigante- africano , de origem africana , o Achatina fulica, que infesta jardins e hortas do Brasil todo. Megalobulimus oblongus), . Com o período das chuvas, cresce a preocupação em relação ao caramujo africano. A prefeitura, através do Departamento Municipal de Controle de Zoonoses, solicita a população colabore no trabalho de combate ao caramujo.

O caramujo-gigante-africano, Achatina fulica, é um molusco oriundo da . Comum nesta época do ano o caramujo africano pode colocar em risco a saúde das pessoas, a praga urbana se prolifera com facilidade e deixa em alerta a Secretaria Municipal de Saúde de Diamantino (SMS). A bióloga Michelle Nobile informou que a forma ideal para conter o molusco é queimá-lo, e logo após enterrar . Foi apresentado nesta quarta-feira, em Joinville, um produto que promete acabar com o caramujo africano (Achatina Fulica). O Metarex, produto desenvolvido especialmente para este caramujo tem . O caramujo – africano é uma espécie considerada praga em diversos países no mundo todo. Foi introduzido ilegalmente no Brasil na década de 8 com o intuito de oferecer um susbtituto mais interessante economicamente e de maior peso que o escargot verdadeiro (Helix aspersa).

O caramujo africano pode transmitir uma série de doenças para o homem, sendo que as pessoas não devem manipulá-lo sem luvas, pois o simples contato pode causar o contágio. O caramujo pode ser encontrado em hortas, jardins, plantações e armazéns de grãos, e possui uma significativa resistência à seca e ao frio. Com o aumento do volume das chuvas, os caramujos também se proliferam, já que o ambiente natural desta praga são lugares úmidos. De: Secretaria de Serviços Urbanos.

Saiba como eliminar caramujos africanos. Bastou chover que ele começa a incomodar a população. Os caramujos em geral gostam de locais úmidos e sombreados. Por isso, ao iniciar a busca do caramujo africano em seu quintal, verifique bem os cantos dos muros, as paredes onde não bate muita luz e os lugares em que possa haver acúmulo de galhos, restos de poda, folhas, madeiras, restos de . Sem um predador natural, ele se multiplica e se espalha rapidamente. E é capaz de acabar com plantações inteiras de mamão, feijão, banana e mandioca.

O animal foi trazido da África para o Brasil a fim de ser utilizado na culinária como uma espécie de escargot, mas logo os especialistas descobriram que o caramujo africano era na verdade um inimigo que se tornou uma praga. Para controlar a população deste animal na cidade, o Centro de Controle de . Embora não seja mais a época de maior proliferação do caramujo africano – meses de novembro a março, período mais chuvoso, a população deve estar atenta e manter os cuidados no controle do molusco. Por isso, a Secretaria Municipal de Saúde, através do Setor de Endemias, orienta a população . Caramujos africanos estão infestando alguns bairros de Vila Velha e deixando os moradores preocupados, já que podem transmitir doenças graves como a meningite e ser foco para o mosquito Aedes aegypti. Mas a boa notícia é que, apesar de eles não terem predadores, há formas de conter a .

Categories: Uncategorized

Comments

No Comments Yet. Be the first?

Post a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *